Notícias

Ensino à distância em computação

Comissão do MEC faz primeira avaliação do curso de Licenciatura em Computação a distância da UFPB

Comissão do MEC faz primeira avaliação do curso de Licenciatura em Computação a distância da UFPB

Os professores Agnaldo Izidoro Souza e Giani Carla Ito, da Diretoria de Avaliação de Educação Superior (DAES) do Ministério da Educação (MEC), estão visitando o Centro de Informática (CI), nesta semana, para avaliar o projeto político-pedagógico, infraestrutura física, capacitação do corpo docente e os ambientes de ensino virtual do curso de Licenciatura em Computação a distância.

O curso foi criado há quatro anos e conforme a nota obtida nessa primeira avaliação obterá reconhecimento e autorização para continuar em funcionamento. A comissão de avaliadores foi recepcionada na manhã desta quinta-feira, 02, pelo diretor do CI, Hamilton Soares, pelo vice-diretor, Lucídio Cabral, e também pela pró-reitora adjunta de Graduação da UFPB, Ana Aldrigue, e a coordenadora do curso, Danielle Rousy.

Nesse primeiro encontro com a direção do CI e a representante da reitoria da UFPB os avaliadores foram informados sobre o processo de criação e evolução da Licenciatura em Computação. Foram apresentados dados que reforçam a importância de continuidade do curso para a melhoria da formação de professores da educação básica em escolas públicas e privadas da Paraíba e mais dois estados que são atendidos pelo ensino superior a distância.

A primeira turma de alunos da Licenciatura em Computação foi criada em 2013 e hoje o curso já é ofertado em 14 polos de educação a distância da UFPB, com o registro de 460 alunos matriculados, segundo afirmou a coordenadora Danielle Rousy. Além de capacitar profissionais de ensino também vem recebendo um número significativo de alunos oriundos da chamada demanda social, com perfis bastante diversificados.

A pró-reitora adjunta disse aos avaliadores que há um crescimento exponencial da educação a distância na UFPB, a contar pelo aumento do número de cursos ofertados, pelo investimento na infraestrutura laboratorial e na formação de tutores de disciplinas e professores que coordenam o processo em cada polo.

Para exemplificar, ela informou que a atividade de ensino a distância foi iniciada na UFPB em 2007, com apenas os cursos de Licenciatura em Matemática, Pedagogia e Letras Português. Nos últimos anos foram introduzidas as licenciaturas em Letras Libras, Letras Inglês, Letras Espanhol, Computação, Ciências Biológicas, Ciências Naturais, Ciências Agrárias e bacharelado em Administração Pública. A instituição tem, hoje, 4.500 estudantes de graduação matriculados nessa modalidade de ensino.

Ana Aldrigue e o vice-diretor Lucídio Cabral, que também faz parte da coordenação da EAD, a unidade de educação a distância da universidade, enfatizaram o trabalho que vem sendo desenvolvido visando dotar os polos de laboratórios de informática com acesso à internet para atender alunos que não dispõem de computadores em casa. Eles lembraram que o baixo nível de letramento digital, que era recorrente nos primeiros anos de funcionamento dos cursos, já não mais se configura um problema para a EAD na atualidade.

Um conjunto de medidas foram adotadas a fim de promover o acesso dos estudantes às plataformas virtuais de aprendizagem, estando entre as mais importantes a estruturação dos laboratórios e a oferta de uma disciplina de introdução a educação a distância para todos os cursos. Com o apoio de um tutor, através dessa disciplina, os alunos dão os primeiros passos na plataforma Moodle, um software livre que oferece um ambiente virtual de ensino e aprendizagem, onde são disponibilizadas as vídeoaulas e todos os conteúdos.

Além disso, os professores informaram aos avaliadores do MEC que tanto para a Licenciatura em Computação como para os demais cursos está sendo disponibilizado aos estudantes material didático impresso, correspondente aos mesmos conteúdos ofertados on-line.

FONTE: Assessoria de Comunicação do CI/UFPB