Notícias

Segredos da campanha

Wikileaks revela e-mails sobre a campanha manipuladora de Hillary Clinton

Desde 8 de outubro Wikileaks vem publicando diariamente centenas de e-mails que indicam uma suposta relação de Hillary Clinton com a grande mídia dos EUA. As mensagens sugerem que membros do gabinete democrata impunham a pauta e o conteúdo de notícias relativas à campanha de Clinton, chegando a redigir os artigos publicados sobre ela por diversos veículos de mídia, favorecendo assim a sua candidatura.

 

Por Andy Greenberg, publicado na Revista Wired:

Em meio a um dilúvio aparentemente incessante de vazamentos, os funcionários federais em Washington, DC aprenderam a imaginar como até mesmo o e-mail mais benigno ficaria uma semana mais tarde na página inicial de sites como o WikiLeaks ou DCLeaks. Em muitos casos, os founcionários pararam de usar e-mail por completo e reconsideraram usar dumbphones (um smartphone de baixo custo e bem limitado, com funções semelhantes a de um Smartphone mas não com todas funcionalidades). Julian Assange, ou pelo menos, o Assange 10 anos mais jovem e mais inocente, diria que ele já ganhou uma batalha.
Depois de mais uma semana de e-mails turbulentos nesta eleição americana relacionados com a candidata Hillary Clinton, o mundo político foi deixado para revirar suas caixas de entrada, ver suas correspondências privadas serem expostas em público, e psicanalisar o fundador inescrutável WikiLeaks. Uma vez que eles são feitos através da invasão de suas vidas on-line, eles podem querer voltar para um ensaio Assange escreveu há dez anos, que define o fim do jogo de sua estratégia de fuga muito antes de ele se tornar uma das figuras mais controversas na Internet.

Em "Conspiração como Governança", que Assange postou em seu blog em dezembro de 2006, o líder do então novo WikiLeaks descreve o que ele considerava ser a maneira mais eficaz para atacar uma conspiração, inclusive, como ele diz, a forma particular de conspiração conhecida como um partido político.
"Considere o que aconteceria se um desses partidos abandonassem os sistemas informáticos que gerem os seus [de assinantes], doadores, orçamentos, polling, call centers e campanhas de mala direta telefones celulares, fax e e-mail correspondência-e muito menos. Eles imediatamente cairiam em um estupor organizacional e perder para o outro ".
E como para induzir que "estupor organizacional?" Fomentar o medo de que qualquer correspondência pode vazar a qualquer momento.
"Quanto mais secreta ou injusta uma organização é, mais medo e paranóia em sua liderança e círculo de planejamento pela chance de se provocar vazamentos. Isso deve resultar em minimização de mecanismos eficientes de comunicação internos (aumento cognitivo do 'imposto segredo') e consequente declínio cognitivo em todo o sistema, resultando em diminuição da capacidade de manter o poder como o ambiente exige adaptação".

WikiLeaks publicaria seu primeiro vazamento no mesmo mês em que o post: uma comunicação de um clérigo islâmico da Somália pedindo por assassinatos políticos. Três anos mais tarde ele iria colocar para fora os vazamentos do Pentágono e do Departamento de Estado fornecidos pelo Chelsea Manning, e seis anos depois, os scecretos e-mails do Comitê Nacional Democrata e do conselheiro de Bill Clinton, John Podesta, levaria à derrubada do presidente DNC Debbie Wasserman Schultz, e fazer tremer a campanha de Hillary Clinton.


A última década tem mostrado o quão precavido era Assange. Tomemos, por exemplo, os hackers russos que publicaram arquivos privados da Agência Mundial Anti-Doping, após atletas da Rússia serem banidos das Olimpíadas por doping. "Agora um grupo como a WADA (World Anti-Doping Agency) tem de levar tudo o que dizem a cada pessoa em consideração. Eles têm que pensar que isso poderia vazar ", diz Dave Aitel, um ex-funcionário da NSA e fundador da empresa de segurança Immunity que se concentra em ciberguerra e guerra de informação. "A idéia é: 'Se podemos impedi-los de ter segredos, eles têm de operar de maneira muito diferente.'

Esse movimento foi influenciado por Assange. "Foi um manifesto ruim, chato", diz Aitel, se referindo ao "Conspiração como Governança". "E foi à frente de seu tempo por muitos anos."

Um porta-voz do WikiLeaks diz que o ensaio de Assange foi uma "experiência de pensamento" que a organização ainda acredita ser verdade. "As organizações têm duas escolhas:1) reduzir os seus níveis de abuso ou desonestidade ou 2) pagar um pesado 'imposto de sigilo', a fim de envolver-se em processos ineficientes, mas secretos ", escreve o porta-voz. "Como as organizações se encontram, geralmente, em alguma forma de equilíbrio competitivo, isto significa que, para o WikiLeaks, organizações que são honestas, em média, crescerão, enquanto aqueles que são desonestas e injustas, vão diminuir."

Claro, a afirmação de Assange que vazamentos de um partido político em proporção direta à sua desonestidade parece quase ridículo depois dos últimos meses. WikiLeaks publicou vazamentos exclusivamente prejudiciais para Clinton e o Partido Democrático, publicando nada de Donald Trump ou sua campanha. (Trump tmabém, é claro, enfrentou os vazamentos de seus 1995 retornos de imposto e um vídeo incriminador onde ele se gaba de agressão sexual. O Próprio Trump não usa e-mail, como uma boa medida de segurança como qualquer um poderia esperar.)

Na verdade, o Departamento de Segurança Interna e do Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional disseram que as recentes versões do WikiLeaks foram feitas por hackers russos patrocinados pelo Estado buscando influenciar US política eleitoral. O ensaio de Assange não leva em conta a possibilidade de que um governo pode explorar ou ser conivente com uma plataforma de vazão, como WikiLeaks. (Porta-voz do WikiLeaks 'negou que tenha havido qualquer "pedido oficial de que todos os documentos publicados por WikiLeaks tenham vindo de um ator estatal", de alguma forma, ignorando o anúncio DHS e ODNI.)

A noção no ensaio de Assange que apenas conspirações corruptas guardam segredos é aquele que a própria Clinton argumentou contra-ironicamente, em um discurso, cuja transcrição parcial WikiLeaks vazou última sexta-feira. Falando ao Conselho Nacional Multi-Housing em 2013, Clinton citou como o presidente Lincoln secretamente prometeu empregos para congressistas do partido político de oposição, se eles concordassem em votar a favor da 13ª Emenda, que terminou com a escravidão. "Se todo mundo está observando todas as discussões de bastidores e as ofertas, você sabe, então as pessoas ficam um pouco nervosas, para dizer o mínimo", disse ela. "Então, você precisa de um público e uma posição particular."

Mas o outro ponto Assange torna-o um "imposto segredo" que as organizações pagam quando eles tentam evitar vazamentos verdadeiros. Qualquer organização que tem tentado criptografar todas as suas comunicações em nome do sigilo sabe o pedágio que a paranóia cobra.

    "Uma conspiração autoritária que não pode pensar de forma eficiente não pode agir para preservar-se contra os adversários que induz .... Quando olhamos para uma conspiração como um todo orgânico, podemos ver um sistema de órgãos que interagem, um corpo com as artérias e veias, cujo sangue pode ser engrossado e diminuiu até que ele cai, incapaz de compreender e controlar as forças em seu ambiente suficientemente ".

Que isso sirva de aviso para o Partido Democrata e qualquer outra organização com segredos para manter. Se os vazamentos não matá-lo, só o medo deles pode.

Fontes:

https://wikileaks.org

https://www.wired.com/2016/10/want-know-julian-assanges-endgame-told-decade-ago/?mbid=nl_101516_p1&CNDID=44918637

http://www.latimes.com/opinion/op-ed/la-oe-mcmanus-wikileaks-clinton-revelations-20161016-snap-story.html